sábado, 30 de julho de 2011

Charger R/T 1972 Vermelho Xavante

                                  Antes de mais nada, quero agradecer o maravilhoso presente que ganhei esta semana do meu amigo Edu Coxinha! Bacana ser lembrado por uma pessoa que, na verdade, nem conhece a gente pessoalmente. Coxinha, é como te falei por e-mail, quero fazer parte desta tua turma mopariana aí, mesmo que à distância!! Abração.

                                 Semana passada, mais precisamente no sábado, levantei bem cedo e fui para o porão da minha casa. Lugar este, em que aos poucos, estou transformando em um reduto de carros e peças, meu antiquário particular.  Neste lugar, pretendo passar boa parte da vida que me resta. Bom, por enquanto, está uma bagunça generalizada, mas, passei a manhã inteira arrumando coisas, organizando e catalogando peças ainda não inventariadas. Acredito que no máximo em dois anos, esteja tudo do jeito que eu quero.
                                  Quando faço isto, esqueço da vida, de tudo e de todos! As horas passam em um piscar de olhos. Por alguns momentos, me sinto como uma ostra, vivendo em um mundo à parte, fechado, rodeado pela matéria, que a tantos anos, não faz mais parte da grande maioria da sociedade.
                                   Não raras as vezes, em que pego alguma peça e, imediatamente, retrocedo décadas. Algumas até lembro de onde sairam, de carros doadores, ou novas, de alguma agência falida. Penso o quanto era boa a vida passada. Talvez esta seja uma das inumeras explicações de o porque venho guardando tantas coisas.
                                   Mas, por vezes, por mais que me de "raiva", tenho lapsos de lucidez.  Penso nas palavras do meu falecido sogro, sr João, que foi um homem, assim como eu, que passou a vida inteira acumulando e guardando suas preciosidades. No caso dele, madeiras nobres!  Ao chegar no fim da vida, já bem perto de sua morte, seguidamente eu o escutava dizer uma frase pesada:"- Tudo é uma ilusão!" Os bens materias são como areia no deserto, não valem nada! No caso dele, aconteceu o óbvio, quando morreu, tudo foi vendido. Até não condeno, pois tudo aquilo tinha muito valor para ele, que conhecia e gostava. Aí me pergunto, vale a pena o que estou fazendo? Dedicando horas, dias, semanas, meses, anos... minha vida toda!!!??? Para, talvez, logo após minha morte, vir alguém e vender, a rodo, tudo para desocupar o meu lugar sagrado!!
                                   Bom, continuando com aquele sábado no porão. Quase meio dia, minha mulher me chama para almoçar. Subo até a cozinha e a Valquiria me diz:"- Sabe quem morreu?  E eu, quem?? O teu amigo Plinio Kellermann!"... ... fiquei em silêncio e novamente me veio as palavras do meu sogro!
                                    O seu Plinio, além de meu amigo, foi um antigo cliente. Nos idos anos 80, foi proprietário de um dodge dart, marrom, ano 1974. Não foram muitas as vezes em que negociamos, digamos, de uma maneira normal. O sr Plinio sempre foi uma pessoa simples, de poucos recursos, não tinha como gastar. Mas, quase que semanalmente, ia até minha oficina para conversar, não tinha dinheiro, mas tinha o que falta em muitas pessoas, humildade!
                                   Talvez por pena, altruísmo, ou na pior e mais feia das hipóteses, para me sentir importante, perdi a conta de quantas vezes coloquei peças de reposição em seu dodge e não cobrei nada! Pensando hoje, um preço justo pela sua agradável companhia. Por outro lado, como é bom poder ajudar alguém que realmente precisa?? Não tem preço!
                                   Sei que existem muitas pessoas que falam mal de mim, e até entendo, como eu sempre fui muito careiro com minhas peças, e neste mundo, sempre houve gente muito petulante e sem condições de ter um dodge, esta relação, logicamente, não poderia dar certo. Mas a parcela de gente boa prevalece, haja visto os exemplos que conheço!
                                   A minha esposa me acha muito parecido com o pai dela, meu falecido sogro. Adorava as coisas que tinha, para os humildes dava até de presente, para os prepotentes e arrogantes, cobrava o dobro do que valia, ou até mesmo não vendia! Eu não nego, sou bem assim! Crista empinada nunca se criou comigo.                       
                                   Bom, o sr Plinio rodou com este Dart por anos e anos a fio, todos os dias! Praticamente sem manutenção! Até que certo dia, eu uma das visitas que me fez, me disse para ir buscar o Dart em sua casa. O carro estava acabado, motor ruim, caixa idem, lata nem se fala! Não dava mais para rodar! Perguntei a ele quanto queria pelo dodge, ele sabia que o carro iria ser desmanchado, e muito pouca coisa eu iria aproveitar. Então me disse:"-Metade deste dodge é teu, pelas inumeras peças que tu colocou pra mim e não cobrou! Me paga o que tu quiser e achar justo!" Sem querer me vangloriar, paguei muito, mas muito mais, do que o carro valia. Com o que eu paguei pelo dodge, seu Plinio comprou um Fiat 147, na mesma semana. Bom, mas a história deste carro fica mais pra frente.
                                   A praticamente dois meses atrás, estive na casa dele fazendo uma visita. Sua esposa já havia falecido à três anos, seus dois filhos moram muito longe, só o visitavam em datas especiais. A mais de dois anos ele não caminhava, vivia sozinho em sua casa. Lembro que quando entrei na casa dele, estava sentado no sofa da sala assistinto TV. Ao me ver, abriu um enorme sorriso e disse:"-Qua alegria em te ver aqui!! Ninguém me visita!!!" Que frase dolorosa, meus ólhos se encheram de lágrimas naquele momento! A vida do solitário é cruél!
                                  Conversamos por quase duas horas, assuntos dos mais variados. Eu sempre puxando pelo passado, sempre ávido por detalhes da vida de antigamente. Isto para uma pessoa idosa, é a glória, pois lhe remete ao tempo em que foi útil para a falsa e imoral sociedade em que vivemos. Tudo que uma pessoa velha anseia ardentemente, é alguém que lhe escute! Depois de muita conversa, prometi a ele que voltaria para uma nova visita, que infelizmente, não fiz! Perdão Plinio!

                                   Taquara é uma cidade relativamente velha para a região onde se localiza, foi um dos primeiros município do vale do Paranhana, se não me engano, o primeiro. Nos seus quase cento e quarenta anos, muitas coisas se passaram pela cidade, muitos comércios, cinemas, etc. Taquara foi por muitos anos o centro comercial dos municípios que a circundavam. Quando algum morador dos municipios vizinhos precisavam fazer compras diferentes, vinham a Taquara. Como aqui era um pólo comercial, não poderiam faltar as agências de automóveis. Taquara teve praticamente agências de todas as marcas.
                                   A agência Chrysler ficava na avenida Sebastião Amoretti, número??. Como meu pai era cliente da agência Chevrolet, eu não tinha muito contato com a loja da Dodge, mas lembro bem das poucas vezes em que fui até lá. Lembro de um Magnum 79, vermelho Alcazar, na vitrine, lindo!
                                    Este, foi comprado por um grande empresário de Taquara, e também, prefeito da cidade por duas vezes! Certa vez, estava eu andando de bicicléta, encontrei este Magnum parado em frente a um supermercado, o empresário estava dentro do carro. Fui até lá e puxei conversa com ele. Lembro que eu estava embasbacado com a belezado do carro, e só fazia elogios ao mesmo. Ele me disse: "-Realmente, o carro é muito bonito e bom, mas não dá para andar muito, gasta muita gasolina." Saí dali pensando, putz, o cara é cheio do dinheiro, um dos homens mais ricos da cidade e é miserável!!!
                                    Este senhor tinha quase uma coleção de carros, galaxies eu lembro que tinha dois! Bom, ele ficou por alguns anos com o carro, quase não saia com ele. Quando o vendeu, em meados da década de oitenta, tinha apenas 22mil km. Este carro foi para a cidade de Caxias do Sul-RS.
                                   Lembro também de um LeBaron azul estelar, lindo, lindo, lindo!! Este foi comprado por um médico neurologista aqui da cidade. Para mim a cor mais bonita de todas.
                                   Quando a Chrysler foi comprada pela VW, seu proprietário mudou a bandeira para FIAT. Hoje , infelizmente nem o prédio existe mais, conforme foto abaixo.
Aqui ficava o prédio da revenda Dodge, ficou abandonado por muitos anos, até que o demoliram
                                     A agência Chevrolet era uma das mais fortes de Taquara e também foi uma das primeiras a se instalar aqui. Tinha sua sede bem no centro da cidade, lugar privilegiado, pois todo mundo passava em frente sua vitrine, os carros novos tinha lugar de destaque. Esta eu conheci bem, por dentro e por fora. Vi muitos Opalas, Comodoros, Diplomatas, e outros, na sua oficina e vitrine. Lembro que em 1979 estavam expostos dois Comodoros brancos, os dois com motor 4100-250S. Um tinha meio teto de vinil bege e o outro não. Um deles foi comprado por um senhor que tinha um estúdio fotográfico no centro de Taquara. Ficou com  o carro até 1986, quando o trocou por outro Comodoro 4100 à álcool. Este 79, quando foi vendido, tinha apenas 16mil km, até o senhor fotógrafo se arrependeu de tê-lo vendido. Este carro eu teria com enorme prazer.
                                     Muitos anos depois, quando o fundador da agência já havia falecido, seus herdeiros resolveram construir um novo prédio, mais moderno e maior, Faliram!
Lugar de destaque da agência Chevrolet, bem no centro da cidade. Esquina esta, que passei noites e noites conversando até de madrugada com os amigos

No vidro da porta de entrada ainda tem o nome do fundador da agência. "Joaquim Steffen & cia ltda". Não sei como os dois herdeiros do sr Joaquim não imploraram por este pedaçinho de vidro. Se fosse do meu pai... 
Rua Rio Branco. Atrás deste muro ficava o pátio da revenda. No pavilhão com telhado de zinco a oficina e lá ao fundo, esquina com a rua Julio de Castilhos, a vitrine com os novos.

Catálogo de peças Chevrolet C10/C14/Veraneio. Este ganhei de um amigo, alguns anos atrás, quando herdei minha C10 do meu sogro.
                                    A agência VW tambem tinha um movimento enorme, uma empresa que vendia muito. Meu pai comprou uma Variant 1968 zero ali. Concorria lado a lado com a Chevrolet em vendas. Faliu também. O seu antigo prédio esta sendo totalmente destruido.
Escombros do que sobrou da antiga agência Volks de Taquara

Posto de lavagem da agência Volks, nos fundos deste prédio, ficavam as oficinas.
                                    A agência DKW tinha um local de destaque, lugarzinho acolhedor, prédio bonito. Infelizmente não vejo mais muitas DKWs, mas o prédio continua em pé. Um amigo me contou que brincava dentro desta agência quando guri. Brincavam de esconde-esconde entre as DKWs zero. Palo amor de Deus!!! Quando a Volks comprou a DKW, abandonaram  o prédio. Este existe até hoje, já foi loja e supermercado, entre outras coisas. Quando eu era mais novo, sempre tive vontade de montar minha oficina neste lugar, era um sonho!
Prédio da agência DKW, esta muito bem conservado até os dias de hoje.

Interior da agência DKW-Vemag. Este prédio foi um sonho para mim, rua maravilhosa e prédio histórico.
                                    A agência Fiat existe até hoje no mesmo lugar, já mudou de dono, mas continua firme.
                                    A agência Willys ficava no centro da cidade, posteriormente mudaram o endereço para a Av Sebastião Amoretti, bem perto onde ficava a Chrysler. Meu pai comprou uma Rural zero nesta agência em 1963. Nunca entrei lá.
                                   A agência Ford também era no centro da cidade, depois foi tranferida para a Av sebastião Amoretti. Tinha um prédio novo e bonito. A vitrine da agência era pequena, entravam poucos carros. Lembo do lançamento do Maverick, já comentei aqui no blog dos dois GTs 1974 na vitrine (um vermelho e o outro amarelo). Lembro também dos inúmeros Galaxies ali expostos. Época em que se faziam carros de verdade. Eu tenho pavor de "bolotas plásticas." Tanto que hoje, meu carro do dia a dia é uma C10 1973. Vou com ela para todos os lugares em que um carro novo vai, mas a grande maioria do carros novos não vão onde eu vou com ela!!
                                  Alguns anos após o fundador desta agência Ford se aposentar, esta, estava falida. Foi então comprada por donos de uma outra agência Ford, do interior do estado. Os novos proprietários chegaram, fizeram muitas mudanças e reformas. Uma destas mudanças foi a de "limpar" todo o material antigo da agência. Eu tinha um amigo que trabalhava lá, este foi o encarregado de jogar tudo fora.
                                   No meio desta limpeza, ele me ligou e disse: Cuti, passa aqui urgente! Tem muita coisa do teu interesse!!" Fui até lá e me apavorei. Tinham caixa e caixas de antiguidades prontas para irem ao lixo. Tinham lanternas de galaxie, maverick, corcel, peças de motor, frisos e milhares de outras coisas, tudo zero!!! Outras pessoas e donos de ferro velhos já estavam carregando coisas, lembro que um cara de um ferro velho pegou uns 200 jogos de pistões do motor 292 do Galaxie/F-100/350/600!!! Tudo novo e jogado fora!!! Minha vontade foi de assaltar o cara e levar tudo!!
                                  Mas, meu amigo tinha separado algumas coisas, que achava que iriam me interessar. Verdadeiras preciosidades!! O brasileiro adora descartar o velho, que mentalidade burra!!! País sem memória, lastimável!!
                                   Olhem só o que arrecadei no lixo da agência Ford:

Catálogo de peças do Ford Corcel I

Catálogo de peças dos camihões Ford 1970. Editado em portugues. 188 páginas

Master Parts Catalog-FOMOCO- Tudo que a Ford produziu nos EUA entre os anos de 1939 e 1962. São 6475 páginas, contendo peças numeradas pela Ford. RARIDADE!!  Editado em inglês com capa de ferro!!

Catálogo americano de peças Ford de 1948 até 1954. Editado em inglês com 312 páginas

Catálogo de peças americano dos caminhões Ford produzidos entre 1948 e 1955. Editado em inglês. 282páginas

Manual de manutenção dos caminhões Ford produzidos entre 1949 e 1951. Editado em espanhol. 160páginas

Manual de manutenção dos caminhões Ford, produzidos no ano de 1952. Editado em espanhol com 160 páginas

Manual de manutenção dos caminhões Ford produzidos no ano de 1953. Editado em espanhol com 157 páginas

Catálogo de peças dos caminhões Ford produzidos em 1953. Editado em inglês. 375páginas

Catálogo de peças dos caminhões Ford produzidos em 1956. Editado em inglês. 187páginas

Catálogo de peças dos caminhões Ford produzidos nos anos de 1956 e 1957. Editado em inglês. 382páginas

Manual de manutenção dos caminhões Ford produzidos em 1958. Editado em espanhol com 287páginas

Manual de manutenção dos caminhões Ford produzidos no ano de 1959. Editado em espanhol. 175páginas

Catálogo de peças dos caminhões Ford brasileiros produzidos nos anos de 1961 até 1971

Manual de manutenção das caixas automáticas Ford produzidas nos anos de 1956 e 1957. Editado em espanhol. 112páginas

Catálogo de peças dos carros e caminhões Ford produzidos entre os anos de 1928 e 1936. Editado em português. 99páginas

Antiga agência Ford de Taquara

De outro ângulo. Olhando os carros à venda, me fazem lembrar os Galaxies e Mavericks zero na vitrine
                                          Acabei por ganhar algum dinheiro com estes manuais, várias pessoas e clientes me encomendavam cópias, então comecei a vender algumas, sob encomenda.

                                          Charger RT 1972
                     Este dodge foi todo reformado no final dos anos 80, era de um cliente de Porto Alegre. Este, tinha um sítio perto da cidade de São Francisco de Paula, praticamente passava na minha oficina todas as quintas feiras.
                    Como era de costume nas décadas passadas, muitos donos de dodge atualizavam seus carros, este foi um caso. Quando este meu cliente o comprou, início da década de oitenta, o carro já estava com a frente do 75. Os bancos também foram trocados por modelos de encosto alto.
                     Com o passar do anos, meu cliente me procurou para que eu reformasse o dodge. No andar da reforma, descobri que ele tinha em casa a frente original do 72, mas apesar da minha insistência, não quis que fosse recolocada. Disse-me ele que assim como estava era muito mais bonito e atual. Então o carro ficou como estava.
                      Esta foto abaixo, foi me entregue pelo meu cliente, algum tempo depois de eu te-lo reformado.   
Foto me entregue pelo antigo dono, infelizmente as duas outras que ganhei do carro acidentado, sumiram!

                         Um ano após a pintura do carro ter sido feita, meu cliente se acidentou com o carro. Estava fazendo uma viagem ao Uruguai, um dos pneus traseiros estourou. O carro saiu da estrada e virou dentro de um enorme depressão que havia ao lado da estrada. Meu cliente saiu ileso no acidente, mas o charger ficou bem destruido. Toda a lateral direita, a capóta e o capô ficaram muito amassados.
                         Uma semana depois do acidente, meu cliente apareceu na oficina para que eu fosse até o sítio, desse uma olhada no carro e  um orçamento da reforma. Quando vi o estado do coitado, desanimei! Depois de muito conversarmos, convenci o meu cliente a comprar outro dodge. Naquela época, os preços dos dodges eram muito baixos, não tinha como não comparar com o preço que iria ficar a reforma. Daria para se comprar uns três ou quatro dodges.
                          Alguns dias depois, meu cliente apareceu na oficina com um Magnum 1979 , branco, impecavelmente novo. Me agradeceu pelo conselho de não reformar o 72, pois pagou pelo novo dodge bem menos que custaria a reforma do 72.
                          No mesmo dia, me pediu para buscar o charger no sítio. Me vendeu o carro sem ao menos acertarmos o preço. Paguei apenas alguns trocados pelo charger, e mais algumas arrumações futuras no Magnum. Além do charger, meu cliente me entregou as peças originais do 72, como a grade, os bancos e lanternas.
                         Na minha próxima postagem conto a história de um Charger R/T 1978 azul Capri 

43 comentários:

  1. Cuti, interessante como as coisas vão se acabando. Hoje não existe mais concessionárias no conceito de antigamente. Acho que a crise foi devastadora nos anos 80, muita gente não aguentou.

    Meu pai vai enlouquecer quando eu mostrar as fotos destes catálogos. Ele tem uma ou outra coisa guardada, inclusive um catálogo da linha Ford Mercury 1966, detalhando todas as peças. Eoutras coisas, nos seus quase cinquenta anos de indústria automobilística.

    Quanto ao "ter"e depois deixar tudo aqui, isso é uma realidade que ninguém pode mudar, cada um lida de um jeito. Eu adoro meus carros, minhas outras coisas. Sou colecionador de muita tranqueira, rsss... Miniatura de carros, canetas antigas, e toda a sorte de tranqueiras. cada um destes objetos guarda uma história, e são meu passatempo. Se um dia eu resolver que não preciso mais deles, eu vendo. Mas está longe o dia ainda.

    Forte abraço, meu amigo, e curta seus "brinquedos", eles são uma higiene mental. Para quem vai ficar depois que formos, não importa. Não estaremos aqui para ver.

    ResponderExcluir
  2. Vital
    Não sei se as antigas concessionárias se acabaram pela crise ou me pela péssima gestão de seus administradores. Eu lembro que os donos eram perdulários, não são mais como hoje. E as décadas de oitenta e noventa foram um marco para isto, que passou passou!
    Realmente, teu pai deve ter pego nas mãos catálogos como estes, várias vezes. Mostra pra ele sim, depois me fala!
    Obrigado pelas sábias palavras!
    Grande abraço
    Cuti

    ResponderExcluir
  3. Grande Cuti,
    mais uma bela história. Imagino os tesouros que você tem aí no seu porão!
    Quando vistas as histórias aos olhos de hoje, quantos Dodges (e outros também) foram destruídos sem necessidade. Parece que não era o caso do R/T 72 pelos danos sofridos.
    Por um outro lado, caso tivessem sido preservados em maior quantidade, os sobreviventes não seriam tão valorizados como vemos hoje - e aí eu poderia ter um R/T 72 com menos dificuldade.
    Hipóteses à parte, o importante é que existem pessoas que se dedicam a essas raridades.
    Grande abraço amigo.
    Reinaldo
    http://reiv8.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Caro Reinaldo
    Até tem alguns tesouros sim, quando estiver tudo organizado, tiro umas fotos e coloco o blog.
    Com certeza que este 72 , hoje, não seria desmanchado, mas na época era inviável. Tudo tem o lado positivo. Para o teu caso, que tem um destes, é melhor, pois vale mais!
    Amigão, obrigado pelo comentário
    Abração
    Cuti

    ResponderExcluir
  5. Cuti, não vejo nenhum problema em juntar o que gosta. Também não vejo problema nos nossos herdeiros em venderem. Afinal de contas, a importância é para nós não para eles.

    Sobre as consessionárias, imagino que seja administração. Sempre se vendeu carros e as que administraram bem são potências hoje.

    Sobre suas histórias, acho interessante como você consegue transmitir bem o fato ocorrido. Parece até que fazemos parte dela. Isto faz do seu blog um dos melhores que eu sigo. Parabéns.

    Inté.

    ResponderExcluir
  6. Prezado Leroi
    O problema todo é sentimento de apego ao materialismo, sentimento de posse!! Me corrijo dioturnamente, tento aprender um pouco a cada dia, mas não é nada fácil. Mas um dia eu chego lá, se Deus quiser!
    Exatemente assim que penso, a administração errada é que faliu a grande maioria destas empresas.
    Sobre as histórias narradas, obrigado! Tento passar escrevendo o que sinto, só isto!
    Obrigado pelo comentário
    Grande abraço
    Cuti

    ResponderExcluir
  7. Fala Cuti!

    Quanto tempo meu velho! Faz algumas postagens que eu não comento.
    Cara! Gosto muito dos Dodges, mas você sabe que eu sou Fordeiro também. Quando puder quero folhear estes catálogos pessoalmente.
    Esse assunto do apego material é uma coisa que volta e meia eu gosto de refletir.
    Acho muito interessante e válido, nós termos algumas coisas que gostamos. Afinal de contas
    "Cada louco com a sua mania". Ainda mais para nós que gostamos de carros.
    Porém acho que esta atitude que muitos de nós temos, deve ser algo saudável, sem exageros, sem que acabem interferindo no nosso dia-a-dia e também na relação com as pessoas.
    Algo do tipo, " Não toque nisso " ou " Não mexa naquilo" ou pior de tudo " Olhe com os olhos e não com as mãos ".
    Como você disse logo acima, nós partimos e nossos bens materiais acabam ficando e muito provavelmente encontrem um novo dono.
    É algo muito triste de se pensar, mas realmente acontece. Acho que devemos compartilhar as coisas que gostamos e admiramos com nossos amigos e familiares, pois quem pode manter ou continuar o legado são eles.
    Forte abraço meu amigo Cuti!
    Temos que marcar mais um churraco no latão aí no escritório oficina.

    Mauricio

    http://showroomimagensdopassado.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Mauricio
    Faz tempo mesmo cara!! Assim eu fico magoado!!!!!
    Claro que podes folhar a vontade estes catálogos, vamos combinar isto no próximo churrasco. Acho que eu já tinha te falado neles né??
    É, eu sei que este negócio de apego é uma loucura, mas é inerente a vontade. Mas com certeza não é saudavel. O tema é vasto, para debater por horas e horas. kkkkkk
    Limpei a churrasqueira que tem dentro do escritório!!!!!!!!!!!!!!!! Agora ficou mais fácil de fazer o churrassss
    Grande abraço
    Cuti

    ResponderExcluir
  9. Grande Cuti!

    Você já tinha comentado comigo sobre estes catálogos no dia do churrasco.
    Cheguei a folhar o do Maverick e do Galaxie aquele dia.
    Uma pergunta Cuti.
    Este Charger R/T 72 era Vermelho Xavante de plaqueta mesmo ou originalmente era de outra cor? Você lembra?

    Mauricio

    ResponderExcluir
  10. Mauricio
    Era vermelho xavante sim, quando meu cliente comprou ele, no inicio dos anos oitenta,tinha a cor original ainda. Quando eu repintei o carro, foi feita a cor da foto.
    Cuti

    ResponderExcluir
  11. Cuti,
    Pelo amor de Deus, nao tem que agradecer nada por favor, fico muito feliz de ter acertado e que vc tenha gostado.
    Cara esse lance de apego as nossas coisas e complicado... Muitos criticam, chamam de materialistas mas cara imagina vc trabalhar pra kct as vezes alem do horario, as vezes de final de semana apenas para guardar dinheiro no banco pensando no futuro? Comprar e guardar coisas que gostamos e como uma injecao de animo faz valer a pena todo o esforco... Vc disfruta daquilo enquanto vivo, compartilha os momentos de alegri que aquilo te proporciona com os amigos e familiares e ta tudo otimo!! Quando estivermos do outro lado nada disso nos tera importancia mais entao que facam o que desejem fazer certo?
    Agora quanto ao RT tenho que confessar que eu curto muito mais as frentes 75-78 que as anteriores apesar de a maioria preferir as 71-72 rsrsrs...
    E da concessionaria Chtrysler vc nao conseguiu nada quando ela fechou?

    Abraco do amigo Andreense

    Coxinha

    ResponderExcluir
  12. Edu Coxinha
    Quando eu pego uma coisa que foi muito importante para determinada pessoa, e este pessoa também me foi importante, parece que meu cuidade é redobrado com tal coisa. Mais ou menos isto, que não me conformo quando vejo as pessoas colocando fora bens que foram muito importantes para outra pessoa, bens que custaram uma vida inteira de trabalho. É vasta a coisa!! Tema pra varias churrasqueadas!!
    Quem comprou praticamente todas as peças concessionaria dodge aqui de Taquara foi um senhor aqui da cidade, já falei dele, sr Ivo Bauer, dono de uma fábrica de Fogões. Alguns anos depois, ele morreu e a viuva vendeu as peças pra mim!! Tinha uma garagem da casa dele cheinha.
    Meu amigo Edu
    Grande abraço
    Cuti

    ResponderExcluir
  13. Cuti,

    Como nossos amigos já falaram acima, a nossa tendência para a nostalgia de tempos antigos pode soar meio exagerada para alguns, mas somente nós sabemos exatamente o que é isso...
    Como eu já comentei contigo em várias ocasiões,eu sempre colecionei muitas coisas ligadas ao nosso hobby, mas também fui obrigado a me desfazer de tudo o que tinha por conta de um relacionamento mal-sucedido. Mas toda dor tem seu lado positivo: hoje que lido com tudo isso de uma forma muito mais equilibrada, e com muito mais "paixão" pelas conquistas diárias que a vida me proporciona...
    E o maior patrimônio que podemos ter nessa vida são os amigos e as experiências únicas que nossas paixões podem nos causar. Porisso eu compartilho as palavras do sábio Maurício sobre compartilhar nossas coisas com os amigos que realmente mereçam a nossa atenção.
    Um grande abraço e já está chegando a hora de "repetirmos a dose" numa churrasqueada, ainda mais sabendo que agora o espaço aí tá liberado, hhaahahahah !!(Olha eu aí me oferecendo de novo...)

    ResponderExcluir
  14. Olá Cuti
    Pra mim o RT mais bonito é o 73, por ter essa frente e as rodas magnum e o capô com flautas!
    Eu adoro essas histórias de grandes empresas, e normalmente elas falem porque os herdeiros botam tudo fora, fora os desfalques feitos por diretores ou cunhados.
    um abraço
    McQueen

    ResponderExcluir
  15. Marião
    É sempre um prazer ler teus comentários, sempre com palavras de bom senso. obrigado por compartilhar tua grande sabedoria com o amigo aqui!
    Vamos repetir sim a churrasqueada, agora em novo local
    Grande abraço
    cuti

    ResponderExcluir
  16. McQueen
    Cara obrigado pelo comentário, pra mim é sempre um prazer enorme le-los e responde-los!!
    Certamente que o RT73 é um dos mais lindos, o painel então, com a iluminação azul de fundo?? Sensacional
    Tu conheces aquele ditado antigo sobre as grandes empresas?? O pai (fundador- 1 geração) trabalha e ergue uma grande empresa, o filho (segunda geração) aproveita e gasta o que pode, e o neto (terceira geração) arca com os prejuizos e falência.
    Abração meu amigo
    Cuti

    ResponderExcluir
  17. Fala Cuti!
    Realmente essa é uma questão complicada... mesmo sendo novo (sem querer chamar alguém de velho aqui hein!!! kkkkkk), acabo pensando nisso... é tanto tempo e dinheiro investido, as vezes nem curtindo como poderia por querer "preservar" e etc..
    Mas sei lá, é um gosto nosso e acho que vale a pena sim!!! Só temos que tentar não exagerar... kkkkkkk

    Abração.

    http://dodgefever.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. Realmente concordo em grau e número quando você diz que vivemos em uma sociedade falsa e imoral e que a humildade é raríssima se não for quase extinta atualmente, vivo em uma cidade ( REBOUÇAS-PR )em que há pouquíssimas pessoas humildes e honestas e a grande maioria é uma mistura de arrogância com burrice realmente nojenta e perigosa, o lema deles provavelmente é venha o meu reino e que se foda o dos outros.Quando o assunto é carro, então, a coisa fica realmente feia, especialmente se for antigo. Um abraço e até mais.

    ResponderExcluir
  19. Marcos
    É realmente complicado, acho que tu pegou o fóco da questão. Trabalhar uma vida inteira amealhando coisas, investindo, cuidando, sei lá! Acho que a gente deveria viver uns 200 anos pra poder aproveitar tudo o que conseguiu juntar Hahahahahahaha
    Grande abraço e obrigado pelo comentário
    Cuti

    ResponderExcluir
  20. João Stadler
    Meu amigo, é complicado, a "lei de Gerson" impera no mundo! Mas não da para generalizar, tem muita gente boa, o problema é que o ruim prevalece! Quando a gente faz uma coisa boa, ninguém fala nada, mas se fizer uma cagada, meu Deus! Cai o mundo de pau em cima.
    Algum tempo atrás eu levei um calote aí do teu estado, comprei algumas peças de dodge de um cara, paguei antecipado e nunca mais!!
    Sabe , eu sou do tipo de cara que, quando faço um negócio, principalmente comprando, a minha prioridade é pagar antes, receber o produto não tem pressa, é uma consequência do negócio. Mas infelizmente, esta atitude sai muito caro as vezes
    Grande abraço meu amigo
    Cuti

    ResponderExcluir
  21. Realmente, essa coisa de levar calote é revoltante, recentemente tive de fechar minha oficina de tanto caloteiro que tem aqui, você se mata de trabalhar, faz um serviço honesto e bem feito por um preço razoável e ainda assim leva calote, E o pior de tudo que o caloteiro ainda fala mal do teu serviço!! Ser honesto hoje em dia infelizmente sai caro, mas eu não consigo ser desonesto.

    ResponderExcluir
  22. João Henrique - Assis/SP1 de agosto de 2011 15:31

    Caro Cuti,

    Este blog ainda vai durar por muitos e muitos anos (é o que espero), pois além dos carros que vc teve, pelo jeito vc ainda possui muitas peças e memorabilia relacionada a Dodges e outros antigos, que podem ser postados aqui, não acha?

    Um abraço.

    João Henrique - Assis/SP

    ResponderExcluir
  23. Derba! que tri. e nao sabia que tu tinha todos esses manuais, oq eu eu lembrava era dakele azul ( catalogo de pecas para cam. Ford brasileiros e akele outro em ingles que tu pediu pra mim traduzir.. e, asuhahsuahsuahsua,k fiz nadas neh? :p heheeh. muito bacana! E nao fica falando aí pensando na hora da morte e em como serao as coisas. Primeiro que tu eh imortal pra mim, e segundo que nem assim tu deveria te preocupar com tuas coisas.. eu ia ta lah com armas alemas pra defender teu territorio contra o tempo e contra quem nao entende o que tudo akilo significa pra ti ; ))) e Oh... Ronaldao tah de volta!Marcar ChurrasqUEeiiinho :D Beiiijos!!
    Tati

    ResponderExcluir
  24. iii Mensch! aushuashasu, naod ah bola pros meus erros de portugues e nem digitacao tah :D como colocar um mim antes dum verbo.. :p geralmente eu nao reviso antes de postar coments :DD bjOO

    ResponderExcluir
  25. João Stadler
    Cara, sei exatamente o que é isto, mas em contra partida, tenho muitos cliente que me enaltecem até hoje, falando de como era, e é, bom trabalhar comigo. É a recompensa que todo profissional espera por um serviço prestado.
    Quanto ao ser desonesto, jamais, não vale a pena. É só a gente ver onde estes caras vão parar!!
    Grande abraço
    Cuti

    ResponderExcluir
  26. João Henrique
    É o que também espero!!! Vida longa ao blog!!
    Até já pensei nisto, quando acabar de contar as histórias dos meus carro, tenho um projeto de contar as historias de todos os carros que consertei. Pois tenho tudo relacionado em alguns livros. Desde o primeiro cliente até agora. Nestes livros consta o que foi feito no carro, o proprietário, o modelo do carro, a data etc etc. Ficha cmpleta dos meus cliente
    Obrigado pelo comentário
    Grande abraço
    Cuti

    ResponderExcluir
  27. Tati
    Eu sei que posso contar contigo, tu é parte da minha vida!!!! Armas em punho Hahahahaha
    Pô, vamos marcar o churrascão então!!!
    beijos
    Cuti

    ResponderExcluir
  28. SEM SOMBRA DE DÚVIDAS, O DODGE MAIS "AGRESSIVO" QUE A CHRYSLER MONTOU. E ESSA GRADE HEIN, EU SERIA CAPAZ DE TER UMA PENDURADA NA MINHA SALA SÓ PARA ADMIRÁ-LA... O IDEL ERA TER O CARRO MESMO NÉ, HEHE, MAS OS LOUCOS E SUAS MANIAS SÃO MUITO MAIS FELIZES, ENTÃO MEU AMIGO, SE É ISSO QUE TE FAZ FELIZ, PENDURANDO UMA GRADE NA SALA (NO MEU CASO), OU ATÉ MESMO CATALOGANDO VERDADEIRAS PRECIOSIDADES, SIGAMOS EM FRENTE!!!!

    ResponderExcluir
  29. Jacson
    Sem sombra de duvidas, o charger é um belíssimo carro. Quem sabe uma hora destas tu não consegue uma para pendurar na sala??? Quem duvidar é louco!!!
    E vamos em frente com nossas loucuras kkkkkkkk
    Obrigado pelo comentário
    Abração
    Cuti

    ResponderExcluir
  30. Vagner Bretz Rodrigues2 de agosto de 2011 20:29

    Cuti, há tempos te acompanho mas acho que nunca comentei nada, pois bem, realmente as tranqueiras que guardamos só nós sabemos dos valores que tem para nós, só para nós muitas vezes (!!!), eu também pensei como voce na hipóetese que vamos envelhecendo e que desse mundo não se leva nada e que os nossos descendentes na maior parte das vezes não tem o mesmo apego em nossos guardados, então, levando que tenho apenas 23 anos e você concerteza é mais velho que eu, anota meu email aí e passa pros seus descendentes pois muitas das suas tranqueiras a gente sabe que tem muuuuiiiito vaor!!!!! (hehehehe) Brincadeiras a parte, eu queria mesmo é parabenizar você pelas histórias que voce conta aqui e que nos faz viajar no tempo, e que muitas das vezes nos desperta valores humanos que vão se perdendo com o agitado ritmo da vida "moderna". Tudo de bom a você e sua família e aguardamos pela próxima história. E se em uma oportunidade aparecer aqui no estado do Espírito Santo avise para tomarmos um produto que minha cidade sabe muito bem produzir, o café!!

    ResponderExcluir
  31. Prezado Vagner
    É, a vida é curta e os sonhos são longos!! Mas, apesar de passar rápido, ela é boa!
    Vou anotar o teu e-mail para te cobrar o café, que eu adoro!! Com certeza , se algum dia passar por aí, tomo um café contigo!
    Obrigado pelo comentário
    Grande abraço
    Cuti

    ResponderExcluir
  32. Cuti já tinha visto seu blog, mas na minha insignificancia de só ler e reparar no que se diz respeitos ao Dodginhos nunca o prestei muita atenção, mas hoje tudo mudou passei boa parte da manhão e no meu intervalo no serviço lendo suas histórias e que por sinal são magnificas, e apartir de hoje gostaria de seguir seu blog diariamente se me tornar membro, e uma lição para mim né Dodge é Dodge, eu tenho vontade de um dia poder ter um Dojão mas como é muito fora da minha realidade nunca parei para reparar atentamente neles sempre foram os Dodginhos que por sinal possuo um polara 79 e que sou totalmente apaixonado, um dia quem sabe passo por ai como sou de santa maria e possuo parentesco em Novo Hamburgo um dia quem sabe gostaria de escutar histórias e admira-lás pessoalmente!!!!abraço

    ResponderExcluir
  33. Matheus Coffy
    Para mim é uma honra te-lo como seguidor. E como diz o ditado, só não muda de idéia quem não as tem, tu também começou a se interessar mais pelos dodges grandes. O mundo esta em eterno movimento. Isto é muito bom.
    Quando vieres para estes lados, sera um prazer te receber.
    Minha esposa tem alguns parentes em Restinga Seca, aí ao lado de santa Maria, as vezes vamos até lá e passamos dois ou três dias.
    Obrigado pelo comentário
    Grande abraço
    Cuti

    ResponderExcluir
  34. Amigo Cuti, mais uma maravilhosa história que nos brida , destes nossos tempos maravilhosos vividos nos anos 70 e 80. Gostaria de fazer sómente uma correção, eu, que sou Dodgemaníaco, mas também Fuscamaníaco ( tenho 2 ), gostaria de dizer que você realmente entende muito de Dodge, mas de Volkswagen falta um pouquinho amigo Cuti, a primeira Variant fabricada, e que por sinal meu pai adquiriu uma zero km , foi em 1970, ela tinha farois quadrados, e depois em 1971,a VW lançou aquela ainda frente alta, mas com os mesmos farois usados nos ultimos DKVs, ou seja os dois redondos juntos, então, seu pai deve ter comprado a Variant em 70 ou 71, e não em 1968. É isso ai, meu amigo, continue a nos brindar com estas maravilhosas histórias, que agente vai comentando e corrigindo o que souber daqui (com toda a humildade, claro ) mas uma coisa te digo, Dodge, é Dodge.
    Abraços de Minas Gerais.
    Rogério.

    ResponderExcluir
  35. Rogério
    BBBBAAAAAAA cara !!!!! CAIU A CASA!!!! Vou perguntar para o meu pai o ano da Variant dele.
    Veja bem, em 70 meu pai comprou o primeiro Opala dele, tirado zero na agência aqui de Taquara, Foi um dos primeiros que vieram para Taquara, algum tempo depois de ter comprado a Variant. Eu , na minha cabeça, era uma 68 ou 69, pois foi comprada antes do Opala.
    Lembro o dia em que ele chegou em casa com ela, Já era noitezinha, tinha vindo da agência naquela hora. Provavelmente era uma 70 então.
    Obrigado pela correção, desculpe a falha, putz!!!
    Obrigado pelo comentário
    Abração
    Cuti

    ResponderExcluir
  36. Hahahaha. "Lei de Gerson" é uma coisa da qual o Gerson nunca vai se livrar. Maldita hora em que ele assinou o contrato de marketing. Tinha tempo que não via ninguém falar isto.

    Inté!

    ResponderExcluir
  37. Leroi
    Tem coisas que se eternizam, a lei de gerson é uma delas. Hahaha, e como a gente vê por aí hein??
    Té mais!

    ResponderExcluir
  38. Cuti,estou eu aqui tomando um maravilhoso vinho Chileno e pensado: Putz, Taquara é velha pra caralho (140 anos), se bem que eu tenho um caneco de chop do centenário de taquara em 1986, então temos que confirmar a data), mas o fato é que nesta cidade tem muita gente, ou melhor, tinha muita gente que realmente tinha CZ$, US$, R$, enfim, grana A fuzeléu, e isso em tempos antigos, mas carros, que realmente representavam isso tudo, foi muito pouco o que sobrou, e isso você deve saber melhor do que eu. Enfim, considerando como a cidade "central" aqui do vale, com famílias com sobras razoáveis, deveria ter muito mais carros mantidos em suas famílias originais do que a gente realmente verifica na realidade né!? Abraços

    ResponderExcluir
  39. Jacson
    Segunda correçào do dia, mas esta é porque quando estava escrevendo, não lembrava direito (os anos de Taquara). Mas 140 ou 125, não muda muito! é velha igual!!
    O fato é que , assim como tu mesmo disse, Taquara já teve muita gente do "tutu". E mais uma vez tu esta certo, nào lembro de um só carro que tenha sobrado desta montanha de gente rica. Sem contar os Impalas, e outros Fords lembro de inúmeros Dodges, Galaxies e Mavericks zero, de gente rica, que hoje, estão andando de hyundais, pelo amor de Deus!!! A sociedade, além de imoral e podre, vivem como cordeiros!! Precisam andar em bandos e sempre atrás de um sem noção!! O ser humano não tem arrumaçào, lastimável!!
    Mas, um bom vinho aí!!! E nào bebe demais que amanhã tem que trabalhar!!! Kkkkk
    Abração

    ResponderExcluir
  40. Olá amigo! Fantástico sua trajetória. Ingado se a possbilidade de postar o esquema montagem do botão da buzina da C10, 1974.Obrigado, Celso Luiz

    ResponderExcluir
  41. Celso Luiz
    Caro amigo, obrigado pelo comentário. O amigo precisa saber exatamente o que sobre o esquema da buzina da C10?? Me manda um e-mail, cuti70@bol.com.br
    Abração
    Cuti

    ResponderExcluir
  42. boa noite amigo sou Ariel tenho 21 anos sou totalmente loucopor maverick meu pai tem um e estou restaurando gostaria de saber se teria como o senhor se tiver uma lista das peças de ford maverick se tiver algum catalogo documento que me posa ajudar,estou a quase um dois anos procurando uma peça rara que ate os mais apaixonados por maverick descolhece e uma tampa de lata que vai atras onde fica os auto falante que muitos nao sabem meu pai tinha mas o funileiro sumiu e pretendo achar nem foto iziste poe ai te agradeço muito por gastar seu tempo comigo . meu email é loucopormaverick@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Ariel
      Tenho os catálogos de peças do Maverick, vou dar uma olhada e te passo por e-mail!
      Abraço

      Excluir